voltar para Página InicialEventosEventos NEIPSeminário Drogas e Espiritualidade no Século XXI

Seminário Drogas e Espiritualidade no Século XXI

De 07/11/2017 a 07/11/2017

Seminário Drogas e Espiritualidade no Século XXI 

UFMG/NEIP

Data e horário: 07 de novembro de 2017, às 9hs.

Local: Sala da Congregação da FAFICH/UFMG (primeiro andar, perto da biblioteca).

Endereço: Universidade Federal de Minas Gerais (campus Pampulha), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH). Avenida Antônio Carlos, 6627, Belo Horizonte, MG.

Contatos: belderose@gmail.com; (31) 992929241

 

Participantes: 

– Beatriz Caiuby Labate (CIESAS, Guadalajara, México; Professora Visitante do Programa de Psicologia Leste-Oeste do Instituto de Estudos Integrais – CIIS, San Francisco);

– Isabel Santana de Rose (PPGCOM/UFMG; Formação Transversal em Saberes Tradicionais);

– Glauber Loures Assis (PPGS/UFMG);

– Jacqueline Rodrigues (PPGAN/UFMG- moderadora);

 

Resumos das apresentações: 

Apresentação do livro A diáspora mundial da ayahuasca: reinvenções e controvérsias

Beatriz Caiuby Labate

Este livro investiga como certos grupos religiosos globais alternativos, bem como indústrias de turismo xamânico e ambientes de drogas recreacionais – todos baseados no consumo da ayahuasca, bebida psicoativa tradicionalmente amazônica – englobam vários desafios associados às sociedades modernas. Durante sua expansão da floresta amazônica para as sociedades ocidentais, o uso da ayahuasca defrontou-se com diversas respostas legais e culturais nos países-destino. Neste livro, discute-se esse encontro, em termos de como ele retrata controvérsias contemporâneas relativas à ambivalência religiosa nas sociedades modernas; igualmente, discute-se como surgiram discursos ontológicos e epistemológicos diversos a respeito do uso da ayahuasca e que concorrem entre si, bem como entre eles e o estado. Contempla-se, também, o papel desempenhado pela ciência nos confrontos entre os que consomem a ayahuasca e o sistema legal. Os capítulos incluem investigações etnográficas da prática ritual, da ideologia religiosa transnacional, das políticas de cura e da invenção da tradição. Os autores exploram os efeitos simbólicos da “burocratização do encantamento” na prática religiosa e da “higienização” de rituais indígenas para os mercados turísticos. São igualmente abordadas questões mais amplas relativas à economia global da ayahuasca em termos de noções de comodificação bem como das categorias do sagrado e do profano. Este livro singular explora temas clássicos e contemporâneos nas ciências sociais e nas humanidades, fornecendo um rico material na florescente expansão do uso da ayahuasca em todo o mundo.

 

Xamanismos guarani e tradução no Encontro de Saberes da UFMG

Isabel Santana de Rose

Neste trabalho, proponho fazer uma primeira abordagem do material de um dos módulos da disciplina de “Artes e ofícios dos saberes tradicionais: curas e cuidados”, vinculada ao Programa de Formação Transversal em Saberes Tradicionais da UFMG. Este módulo foi realizado em maio de 2015 e ministrado por Alcindo Wherá Tupã e Geraldo Karaí Okenda, lideranças espirituais guarani do litoral sul de Santa Catarina. Com base na análise do material das aulas, chamo atenção para especialmente para a criatividade presente em suas falas, ao levantar aspectos centrais da cosmologia guarani e ao mesmo tempo procurar traduzi-los para o público não-indígena que participou da disciplina. Também proponho relacionar este material com as minhas pesquisas de campo anteriores realizadas na aldeia Yynn Morothi Wherá (Biguaçu, SC) a respeito da participação desta comunidade indígena em uma rede xamânica contemporânea denominada Aliança das Medicinas. Trata-se de um movimento que vem sendo protagonizado especialmente pelos integrantes da família extensa de Alcindo Wherá Tupã e Rosa Poty Djá e que se encontra ligado a um projeto amplo de fortalecimento do xamanismo e de manutenção do nhandereko ou “modo de ser” guarani.

 

A diáspora do Santo Daime no panorama religioso global

Glauber Loures Assis

No século XXI, diversas práticas religiosas nascidas no Brasil têm sido exportadas internacionalmente, em um amplo movimento conhecido como diáspora das religiões brasileiras. Dentre elas, estão o neopentecostalismo, as religiões afro-brasileiras, a União do Vegetal, a Renovação Carismática Católica e o Santo Daime. Embora esse contexto mais amplo seja importante para a compreensão da expansão desses grupos, também existem particularidades no movimento diásporico de cada uma dessas formas religiosas. Através de uma abordagem comparativa, essa tese se concentra no caso específico do Santo Daime, procurando inserí-lo em discussões sociológicas mais amplas e ao mesmo tempo chamar a atenção para suas particularidades e idiossincrasias. Para tanto, propomos nesse trabalho a construção de um esboço de uma genealogia da diáspora do Santo Daime, a partir do estudo de caso da ICEFLU, grupo pioneiro na diáspora daimista e até hoje a mais conhecida e abrangente vertente dessa religião, do ponto de vista do número de adeptos e projeção internacional.

 

Resumo das biografias:

Beatriz Caiuby Labate é Doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Suas principais áreas de interesse são o estudo de substâncias psicoativas, políticas sobre drogas, xamanismo, ritual e religião. É Professora Visitante do Centro de Pesquisa e Estudos de Pós Graduação em Antropologia Social (CIESAS), em Guadalajara, e Professora Visitante do Programa de Psicologia Leste-Oeste do Instituto de Estudos Integrais (CIIS), em São Francisco. É co-fundadora do Coletivo Drogas, Política e Cultura no México (http://drogaspoliticacultura.net) e co-fundadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP) no Brasil, além de editora de seu site (http://www.neip.info). Também é Editora-Chefe do Chacruna (http://chacruna.net). É autora, coautora e coeditora de dezessete livros, de uma edição especial de um journal acadêmico e de vários artigos indexados (http://bialabate.net/).

Isabel Santana de Rose é doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e tem pós-doutorado em antropologia pela UFSC e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Sua tese trata da formação de redes xamânicas contemporâneas no Brasil a partir de um estudo de caso realizado na aldeia guarani Ynn Morothi Wherá (Biguaçu, SC). Suas principais áreas de interesse incluem antropologia da saúde, antropologia da religião, xamanismo, etnologia indígena e saberes tradicionais. É co-autora de dois livros e tem uma série de artigos e capítulos publicados em periódicos e livros nacionais e internacionais. Desde 2015 atua junto à Formação Transversal em Saberes Tradicionais da UFMG e atualmente realiza um pós-doutorado no Programa de Pós Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) desta universidade. 

Glauber Loures de Assis é Doutor em Sociologia pela UFMG, bolsista CAPES de pós-doutorado (PNPD) e membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP). Tem Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde foi bolsista pelo CNPq. Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora, onde realizou o Bacharelado e Licenciatura, além de uma especialização em Políticas Públicas e Gestão Social. Tem experiência nas áreas de Sociologia e Antropologia, com ênfase em Sociologia da Religião, Sociologia da Cultura, Políticas de Drogas e Antropologia da religião, e atua hoje principalmente nos seguintes campos de pesquisa: religiosidade brasileira; religiões ayahuasqueiras; novos movimentos religiosos e novas espiritualidades; política de drogas e estudos culturais.